Por Amanda Almeida!
Leituras

Usagi Drop – Unita Yumi – Volumes de 1 a 3

Conheci esse mangá por acaso em minhas andanças pela livraria leitura. Achei a premissa da história tão interessante e tão real, do tipo de situação que realmente poderia acontecer, sem fantasia nem nada, que fiquei com muita vontade de conferir a história. Pesquisando sobre ele descobri que ao todo são 9 volumes e pelo que parece teve algumas polêmicas no seu final. Mas como não gosto de spoilers resolvi ler, para então descobrir a bendita polêmica. Confesso que estou lendo online, e vou resenhar de três em três volumes para que as resenha não fiquem muito compridas e também para que eu não perca muitos detalhes.

Usagi Drop Vl123

Usagi Drop começa de uma forma inusitada. Daikichi, um homem de 30 anos, leva a vida normalmente como qualquer pessoa. Até que um dia recebe a notícia de que seu avó faleceu. No velório ele conhece Rin, uma garotinha de 6 anos que posteriormente acaba descobrindo ser filha de seu avó. Enquanto os “filhos” discutiam quem ficaria responsável pela criança, e percebendo que nenhum deles queria cuidar dela, cogitando até mesmo enviá-la para um orfanato, Daikichi toma a decisão de cuidar dela, surpreendendo a todos. E assim começa a história.

Nos três primeiros volumes vamos acompanhando a rotina de Daikichi e Rin e é engraçado perceber o quão desajeitado ele é, e sem nenhuma experiência com crianças no início. É interessante, pois a ficha dele só foi cair depois dos primeiros dias; que de fato ele tinha uma criança e que agora ele “precisava” ser mais responsável. Saídas à noite, bebedeiras, e até mesmo horas extras no trabalho, não poderiam ser mais admitidas. E, além disso, ele precisava resolver uma série de questões como colocá-la em uma creche, algo aparentemente simples, mas ele não fazia ideia do processo das coisas.

usagi drop

Com o passar do tempo ele vai se acostumando com a presença de Rin e ao mesmo tempo tudo passa a ser tão natural para ele, e para ela, que é como se eles sempre estivessem juntos. No caso da Rin, ele foi a única pessoa que lhe transmitiu confiança, então para ela ele é como se fosse um refúgio. O relacionamento dos dois começa a se formar e é tão fofo perceber o carinho e cuidado que eles têm um com o outro, mesmo o Daikichi sendo um tanto desajeitado em muitos momentos.

Uma grande questão que percebi nesses três primeiros volumes é com relação a mãe da Rin. Aparentemente ela “abandonou” a criança, pois não conseguiria continuar com sua carreira e cuidar dela ao mesmo tempo. Em alguns momentos percebemos como é a situação da mulher japonesa no mercado de trabalho, e as situações que elas precisam enfrentar como mulheres, mães, e profissionais. E sinceramente, isso me deixou triste. Não quero criticar a cultura, afinal não estou inserida nela, mas é um pouco estranho pra mim, pois em nosso país, mesmo com tantos defeitos e problemas, a mulher ainda tem um pouco de resguardo nesse momento delicado. Pelo que pude entender, as mulheres não tem muito amparo, e os japoneses têm a necessidade de se sentirem úteis, como se de alguma forma cada um precisasse contribuir com o andamento de suas casas.

Apesar de abordar algumas questões sérias, a leitura é bem leve e divertida. Gostei de mais da forma como a autora contou a história e até mesmo a forma como os personagens secundários estão sendo trabalhados. O foco principal claro é no Daikichi e na Rin, mas temos muitos outros personagens cativantes; os pais de Daikichi que aprenderam a amar a Rin e é muito fofo acompanhar a interação deles com ela; o melhor amiguinho da Rin, Kouki e sua mãe; a própria mãe da Rin, e alguns outros que acabam auxiliando Daikichi de uma forma ou de outra.

Eu com toda certeza vou continuar a leitura, pois fiquei realmente encantada com a história. É leve, mas ao mesmo tempo acaba tocando em determinados assuntos, e nos fazendo refletir sobre algumas coisas também. Recomendo para quem gosta de mangás que contem histórias do cotidiano, e até mesmo pra quem não é muito fã de mangá, mas gosta de histórias que de forma simples nos tocam.

You Might Also Like...

6 Comments

  • Reply
    Camila Faria
    23 de Fevereiro de 2017 at 10:47 am

    Oi Amanda, achei a premissa do Mangá bem curiosa, super realista. Eu gosto dessas histórias mais próximas da realidade, sem muita fantasia, então acho que curtiria essa série de livros. Um beijo!

    • Reply
      Amanda Almeida
      2 de Março de 2017 at 7:53 am

      esse é um mangá com uma história bem real mesmo Camila, vale a pena a leitura.
      bjus

  • Reply
    Kelen de Oliveira Vasconcelos
    23 de Fevereiro de 2017 at 1:55 pm

    Oi Amiga!
    Você sabe que também estou de olho nesse mangá hehehhe.
    Com certeza ele tá na minha lista. Achei estranho a Rin não ser filha dele, achei que fosse kkkkk.
    Bjos
    http://www.kelenvasconcelos.com.br/

    • Reply
      Amanda Almeida
      2 de Março de 2017 at 7:55 am

      Não amiga, é filha do avô kkkk

  • Reply
    Beatriz Cavalcante
    1 de Março de 2017 at 9:02 pm

    Essa história é muuuuuuuuuuuito lindinha!

    Você já viu o anime? Eu nunca li o mangá mas o anime é tipo: a coisa mais fofa que você pode ver nessa internet. HAHAHA Quero muito comprar os mangás mas vi o pessoal falando que o final é diferente do anime e não é tão legal assim aí estou um pouco em dúvida de achar chato, haha.

    Beijos!

    • Reply
      Amanda Almeida
      2 de Março de 2017 at 7:56 am

      Bea, ainda não, mas vou ler primeiro e depois assistir ao anime e depois ao filme, tem um live action e já até baixei o bendito rsrsrs
      bjus

    Leave a Reply